Os 4 cemitérios que mais despertam curiosidade no mundo

Para muitas pessoas, os cemitérios são considerados tão somente um local físico para o descanso do corpo de um ente falecido. Para outras, no entanto, esses espaços podem representar uma vasta riqueza natural, arquitetônica ou cultural, sobretudo quando ocupam magníficas áreas verdes ou estão inseridos em um contexto histórico.

Não por acaso, alguns cemitérios ao redor do mundo despertam a curiosidade de turistas, que acabam realizando visitas propositais para admirar a exuberância desses espaços. Nós, do Grupo Memorial, acreditamos que esses locais também podem ser inspiradores e, por isso, selecionamos uma lista com quatro cemitérios diferentes para os nossos leitores:



O cemitério “alegre” da Romênia

Ao contrário de muitos cemitérios que possuem cores neutras e “sombrias”, o Cimitirilui Vesel, localizado em um pequeno vilarejo da Romênia, é uma das construções funerárias mais originais e alegres da Europa. As lápides ilustradas contam uma breve história dos falecidos por meio de frases poéticas acompanhadas de uma imagem que retrata a forma como a pessoa faleceu, a profissão ou o seu cotidiano em vida.
O Cimitirilui Vesel pode ser definido como um monumento funerário repleto de cores vívidas que refletem uma maneira diferenciada de lidar com a morte. Para a maioria dos romenos, não existe um “fim” da vida, mas a passagem do ser para uma nova dimensão – pensamento este inspirado nas doutrinas budistas.



2- Père Lachaise na França

Com 44 hectares de área verde, o Père Lachaise edificado em Paris é, sem dúvidas, um dos cemitérios mais bonitos do mundo. Além de possuir uma incomparável beleza arquitetônica e paisagística, o espaço foi a última morada de personalidades ilustres como Proust, Balzac, Édith Piaf, Allan Kardec, Chopin, Oscar Wilde e Jim Morrison.


Por esse motivo, o Père Lachaise recebe frequentemente a visitação de turistas de várias partes do globo, que almejam conhecer o túmulo de ídolos ou apenas admirar o incrível panorama natural.


3- O cemitério High Tech no Japão

Engana-se quem pensa que os cemitérios não acompanham os avanços tecnológicos. Na capital japonesa, Tóquio, algumas empresas do segmento funerário estão investindo em “ossários”: prédios com tecnologias de automação que facilitam o armazenamento e acesso aos restos mortais de entes queridos.


Exemplo disso é o Shinjuku Rurikoin Byakurengedo, um ossário completamente automatizado pela empresa Toyota que, visando a solucionar o problema da falta de espaço para cemitérios tradicionais, resolveu projetar um prédio ultramoderno para comportar centenas de túmulos.


4- Um cemitério submerso nos Estados Unidos


Próximo à costa de Key Biscayne, a exatos 14 metros de profundidade oceânica, encontra-se um cemitério projetado para aqueles que, em vida, amavam o mar. O dono da ideia foi o mergulhador Gary Levine que, com o suporte do designer Kim Brandell, arquitetou um lugar único para que as cinzas de amantes do mar pudessem ser depositadas em estruturas de corais. No local das cinzas, é possível instalar uma placa ou epitáfio com o nome do falecido, a data do seu nascimento e óbito, que ficarão para sempre registrados no fundo do oceano.


Assim como a França e a Romênia possuem cemitérios que remetem a uma atmosfera serena e tranquila para garantir uma bela despedida aos entes queridos, o Grupo Memorial investe em grandiosos jardins que permitem realizar cerimônias verdadeiramente especiais para as famílias em luto. Para fazer uma visita aos cemitérios-jardins e conhecer toda a infraestrutura funerária do Grupo Memorial, basta entrar em contato conosco.